20/01/2012


Minha poesia não há remédio. Doença com que me escrevo é nostalgia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário