16/01/2012

O amor opera desconstruções sempre pungentes de desejo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário