21/04/2012


A mão só deveria ao deleite de defenestrar mais um dia com esquecimento. Ele ia arremessado ao que a janela não avistava acabar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário