19/05/2012


As divindidades que me acumulam devotar sempre aliviam quando escrevo seus nomes: Saudade e Esperança. De quem são filhas, senão da Vida?

Nenhum comentário:

Postar um comentário