21/10/2012


Pelo território das mãos, hei de ultrapassar o obscuro sentido que fenece quando crio.

Nenhum comentário:

Postar um comentário